Notícias

1
PORTARIA
O Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 44/2004, de 25 de Maio, estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão do currículo, bem como da avaliação e certificação das aprendizagens do nível secundário de educação, aplicáveis aos diferentes percursos do nível secundário de educação.
O Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro, rectificado pela Declaração de Rectificação nº 23/2006, de 7 de Abril, veio introduzir alterações ao Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, promovendo reajustamentos no regime de avaliação e certificação dos cursos de nível secundário de educação e consagrando a possibilidade de livre escolha de uma língua estrangeira nos cursos de nível secundário de educação.
O Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho, introduz alterações ao Decreto-Lei n.º 74/2004 que importa, neste momento, materializar, ajustando as matrizes e as regras de organização, funcionamento e avaliação dos cursos científico – humanísticas definidas pela Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria nº 259/2006, de 14 de Março.
Assim, ao abrigo do disposto no artigo 5º e do número 3 do artigo 10º do Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 44/2004, de 25 de Maio, alterado pelo Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro, e pelo Decreto-Lei nº 272/2007, de 26 de Julho,
Manda o Governo, pelo Secretário de Estado da Educação, o seguinte:
Artigo nº 1
Alteração à Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, alterada pela Portaria nº 259/2006, de 14 de Março.
Os artigos 2º, 3º, 4º, 8º, 9º, 11º, 16º, 17º, 18º, 23º, 26º e 30º da Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria nº 259/2006, de 14 de Março, passam a ter a seguinte redacção:
2
«Artigo 2.º
Cargas horárias
1. As cargas horárias constantes das matrizes são estabelecidas a partir de uma unidade lectiva de noventa minutos correspondente à duração efectiva do tempo de leccionação, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
2. As cargas horárias semanais podem ser organizadas e distribuídas de forma diferenciada, em função da natureza das disciplinas e das condições existentes na escola, sem prejuízo da unidade lectiva legalmente fixada, com excepção das disciplinas a seguir indicadas, às quais é atribuído um reforço semanal da carga horária de 45 minutos, que deverá funcionar em associação com uma unidade lectiva de 90 minutos, no sentido de viabilizar a componente prática e/ou experimental destas disciplinas.
a) Disciplinas bienais de Física e Química A e de Biologia e Geologia e disciplinas anuais de Física, de Química, de Biologia e de Geologia do curso de Ciências e Tecnologias;
b) Disciplina bienal de Língua Estrangeira I, II ou III da componente de formação específica do curso de Línguas e Humanidades;
c) Disciplina trienal de Desenho A e disciplinas anuais de Oficina de Artes, de Oficina Multimédia B e de Materiais e Tecnologias do curso de Artes Visuais.
3. (Revogado.)
4. (Revogado.)
Artigo 3.º
Gestão do currículo
1. (…)
2. (…)
3. (…)
4. A matriz e os respectivos planos de estudo, na componente de formação específica, incluem, além de uma disciplina trienal, disciplinas bienais e anuais, cuja escolha e combinação, em função do percurso formativo pretendido e das concretas possibilidades de oferta de escola, obedecem às regras seguintes:
a) O aluno inicia duas disciplinas bienais no 10.º ano a escolher de entre as disciplinas bienais da componente de formação específica do respectivo curso;
b) O aluno escolhe duas disciplinas anuais no 12.º ano sendo uma delas obrigatoriamente ligada à natureza do curso – leque de opções c) do plano de estudos do respectivo curso;
c) A escolha das disciplinas a iniciar no 12.º ano, é condicionada pela respectiva precedência, nos termos da alínea seguinte e de acordo com o Anexo IV.
d) O aluno que tenha tido aproveitamento e/ou frequentado a disciplina bienal precedente com assiduidade, nos termos da legislação em vigor, até ao final do ciclo de estudos da mesma, pode escolher iniciar a disciplina de 12.º ano correspondente.
3
e) O aluno pode, no final do 11.º ano ou do 12.º ano, substituir qualquer disciplina bienal da componente de formação específica por outra bienal da mesma componente de formação e do mesmo plano de estudo em que tenha obtido aprovação.
f) O aluno pode, no final do 10.º ano, substituir uma das disciplinas bienais da componente de formação específica por outra da mesma componente de formação e do mesmo plano de estudo, a cuja frequência dá início, enquanto disciplina de 10.º ano, de acordo com as possibilidades da escola, designadamente no que diz respeito à existência de vagas nas turmas constituídas e à compatibilidade de horários, sendo a nova disciplina contabilizada para efeitos de transição ao 11.º ano.
g) O aluno pode, no final do 12.º ano, quer tenha concluído este ano de escolaridade ou não, substituir qualquer disciplina anual da componente de formação específica por outra da mesma componente de formação, sem prejuízo do disposto na alínea b).
h) Na disciplina de Língua Estrangeira I, II ou III da componente de formação geral, o aluno pode igualmente substituir a língua estrangeira escolhida, nos termos definidos nas alíneas e) e f).
5. O percurso formativo do aluno pode ainda ser diversificado e complementado, mediante a inscrição noutras disciplinas, ou realização de exame nacional ou prova de equivalência à frequência, conforme os casos, de acordo com a oferta da escola, sem prejuízo do disposto nas alíneas seguintes:
a) (…)
b) A classificação obtida nestas disciplinas não é considerada para efeitos de transição de ano e de conclusão de curso, sem prejuízo do disposto na alínea seguinte;
c) A classificação obtida nestas disciplinas será considerada para efeitos de transição de ano e de conclusão de curso quando, satisfeitos os requisitos estabelecidos no número 4, o aluno pretenda utilizá-las para substituição de disciplinas do seu plano de estudo;
d) A Língua Estrangeira I, como disciplina facultativa, a que se refere a alínea a) das matrizes dos cursos científico-humanísticos, é considerada, para todos os efeitos, uma disciplina de complemento do currículo.
6. (…)
7. A classificação obtida nas disciplinas referidas no número anterior pode contar, por opção do aluno, para efeitos de cálculo da média final de curso, desde que a frequência seja iniciada no ano seguinte ao da conclusão do curso, as disciplinas integrem o plano de estudo do curso concluído e sejam concluídas no período correspondente ao ciclo de estudo das mesmas.
Artigo 4.º
Assiduidade
1. Ultrapassado o limite de faltas injustificadas, definido no artigo 21.º da Lei n.º 30/2002, de 20 de Dezembro, em qualquer disciplina ou área não disciplinar, o aluno é excluído da frequência dessa disciplina ou área não disciplinar, até final do ano lectivo em curso.
2. Para os efeitos previstos no número anterior, o tempo de leccionação de 135 minutos, resultante do reforço de 45 minutos associado a uma unidade lectiva de 90 minutos, estabelecido no número 2 do artigo 2.º, corresponde a uma aula e a uma falta para o aluno.
4
Artigo 8.º
Critérios de Avaliação
1. Compete ao conselho pedagógico da escola, de acordo com as orientações do currículo nacional, definir, no início do ano lectivo, os critérios de avaliação para cada ano de escolaridade, disciplina e área não disciplinar, sob proposta dos departamentos curriculares, contemplando obrigatoriamente critérios de avaliação da componente prática e/ou experimental, de acordo com a natureza das disciplinas.
2.(…)
3.(…)
Artigo 9.º
Produção, tratamento e análise de informação sobre as aprendizagens dos alunos
1.(…)
a) (…)
b) (…)
c) (…)
2. (…)
3. (…)
a) (…)
b) (…)
c) (…)
d) (…)
e) (…)
4. As provas referidas no número anterior, quando se trate de provas de equivalência à frequência, incidem sobre as aprendizagens correspondentes à totalidade dos anos que constituem o plano curricular da disciplina ou área não disciplinar em que se realizam.
5. (…)
6. São obrigatórios momentos formais de avaliação da oralidade ou da dimensão prática ou experimental, integrados no processo de ensino-aprendizagem, de acordo com as alíneas seguintes:
a) Na disciplina de Português a componente de oralidade tem um peso de 25% no cálculo da classificação a atribuir em cada momento formal de avaliação, nos termos da alínea a) do número 2 do Artigo 14.º;
b) Na disciplina de Língua Estrangeira a componente de oralidade tem um peso de 30% no cálculo da classificação a atribuir em cada momento formal de avaliação, nos termos da alínea a) do número 2 do Artigo 14.º;
c) Nas disciplinas bienais de Física e Química A e de Biologia e Geologia, nas disciplinas anuais de Biologia, de Física, de Geologia e de Química, a componente prática e/ou experimental tem um peso mínimo de 30% no cálculo da classificação a atribuir em cada momento formal de avaliação, nos termos da alínea a) do número 2 do Artigo 14.º.
5
Artigo 11.º
Modalidades de avaliação
As modalidades de avaliação são as referidas no artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro, e pelo Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho.
Artigo 16.º
Provas de equivalência à frequência
1. (…)
2. (...)
3. (…)
4. (…)
a) (…)
b) (…)
c) (…)
d) (…)
e) (…)
5. Os candidatos a que se refere a alínea e) do número anterior podem ser admitidos à prestação de provas de equivalência à frequência dos 11º e 12º anos de escolaridade.
6. (…)
7. Os alunos que, por excesso de faltas perderem direito à frequência ou anularem a matrícula em qualquer disciplina após o quinta dia do terceiro período lectivo, bem como aqueles que, em resultado da avaliação sumativa interna realizada no terceiro período não obtenham aprovação em qualquer disciplina, só podem apresentar-se à prova de equivalência à frequência dessa disciplina na 2.ª fase, sem prejuízo do disposto no número 9.
8. Os alunos que, em resultado da avaliação sumativa interna realizada no 3.º período, não obtenham aprovação na Área de Projecto só podem apresentar-se à prova de equivalência à frequência dessa área não disciplinar na 2.ª fase, sem prejuízo do disposto no número 11.
9. Aos alunos do 11.º ano é autorizada a realização de provas de equivalência à frequência ou exames finais nacionais na 2.ª fase quando transitam de ano não aprovados a uma ou duas disciplinas terminais ou quando, com a aprovação nesses exames ou provas, venham a reunir condições de transição para o ano de escolaridade seguinte.
6
10. Para efeitos de conclusão de curso, é facultada a apresentação a provas de equivalência à frequência ou a exames finais nacionais na 2.ª fase em qualquer disciplina ou área não disciplinar independentemente do ano do plano de estudo a que pertençam, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
11. A realização de prova de equivalência à frequência na Área de Projecto, tendo em consideração o disposto no número 3 do artigo 30.º da presente portaria, apenas é autorizada nas seguintes condições:
a) Aos alunos que tenham frequentado essa área não disciplinar sem a concluir e pretendam realizar a prova para efeitos de conclusão de curso;
b) Aos alunos que, não estando matriculados em nenhuma disciplina, se apresentem a exames finais nacionais ou provas de equivalência à frequência, conforme os casos, na qualidade de autopropostos, para efeitos de conclusão de curso.
12. Os alunos aprovados em disciplinas terminais dos 11.º e 12.º anos de escolaridade que pretendam melhorar a sua classificação, podem requerer, para esse efeito, a realização de provas de equivalência à frequência ou de exames finais nacionais na 2.ª fase do ano em que concluíram as referidas disciplinas e em ambas as fases do ano escolar seguinte, apenas sendo considerada a nova classificação se for superior à anteriormente obtida, sem prejuízo do disposto no n.º 16 do presente artigo.
13. (…)
14. (…)
15. (…)
16. Na Área de Projecto, área curricular não disciplinar, não é permitida a realização de prova de equivalência à frequência para efeitos de melhoria de classificação.
Artigo 17.º
Avaliação sumativa externa
1. (…)
2. (…)
3. (…)
4. (…)
5. Os exames finais nacionais realizam-se nos termos definidos no artigo 11º do Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações do Decreto-Lei nº 24/2006, de 6 de Fevereiro, e incidem sobre o programa correspondente ao 12º ano, no caso das disciplinas trienais, e sobre os
7
programas relativos à totalidade dos anos de escolaridade em que a disciplina é leccionada, nos restantes casos.
6. (…)
7. (…)
8. Os candidatos a que se refere a alínea e) do ponto 4 do artigo 16º podem apresentar-se à realização de exames finais nacionais dos 11º e 12º anos de escolaridade.
9. (…)
10. Aos alunos do 11.º ano é autorizada a realização de exames finais nacionais ou provas de equivalência à frequência na 2.ª fase quando transitam de ano não aprovados em uma ou duas disciplinas terminais ou quando, com a aprovação nesses exames ou provas, venham a reunir condições de transição para o ano de escolaridade seguinte.
11. Para efeitos de conclusão de curso, é facultada a apresentação a exame final nacional ou prova de equivalência à frequência na 2.ª fase em qualquer disciplina ou área não disciplinar independentemente do ano do plano de estudo a que pertençam, sem prejuízo no disposto no n.º 11 do artigo 16.º.
12. (…)
13. (…)
14. (…)
15. (…)
Artigo 18.º
Candidatos com necessidades educativas especiais de carácter permanente
Os candidatos com necessidades educativas especiais de carácter permanente, devidamente comprovadas, prestam em cada curso as provas de exame previstas para os restantes examinandos, podendo, no entanto, beneficiar de condições especiais de avaliação, ao abrigo da legislação em vigor.
Artigo 23.º
Aprovação, transição e progressão
1. (…)
2. (…)
3. (…)
4. Para os efeitos previstos no número anterior, são consideradas as disciplinas constantes do plano de estudo a que o aluno tenha obtido classificação inferior a 10 valores, sido excluído por faltas ou anulado a matrícula.
5. Na transição do 11.º para o 12.º ano, para os efeitos previstos no número 3, são consideradas igualmente as disciplinas em que o aluno não progrediu na transição do 10.º para o 11.º ano.
8
6. (…)
7. (…)
8. (…)
9. (…)
10. (…)
11. (…)
12. Nas situações em que o aluno tenha procedido a substituições de disciplinas no seu plano de estudo, nos termos do número 4 do artigo 3.º, as novas disciplinas passam a integrar o plano de estudo do aluno, sendo consideradas para efeitos de transição de ano, de acordo com as condições estabelecidas no presente artigo.
13. (Revogado.)
Artigo 26.º
Revisão das deliberações do conselho de turma
1. (…)
2. (…)
3. (…)
4. (…)
5. (…)
6. Nos casos em que o conselho de turma mantenha a sua deliberação, o processo aberto pelo pedido de revisão é enviado pelo presidente do órgão de gestão ao conselho pedagógico para decisão final, que deve ser fundamentada, instruindo-o com os seguintes documentos:
a) (…)
b) (…)
c) (…)
d) (…)
e) (…)
f) (…)
7. (Revogado)
8. Da deliberação do conselho pedagógico e respectiva fundamentação é dado conhecimento ao interessado, através de carta registada com aviso de recepção, no prazo máximo de trinta dias úteis contados a partir da data da recepção do pedido de revisão.
9. (…)
10. (…)
9
Artigo 30.º
Condições especiais restrições de matrícula
1. (…)
2. (…)
3. (…)
4. (…)
5. (…)
6. (…)
7. Aos alunos que não concluíram o ensino secundário por não terem obtido aprovação em uma ou duas disciplinas do 11º ano é permitida, para além da renovação da matrícula nas disciplinas em que não obtiveram aprovação, a matrícula em disciplinas e área não disciplinar do 12º ano para efeitos de melhoria de classificação, de acordo com as possibilidades da escola. »
Artigo nº 2
É aditado à Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, o artigo 32.º, com a seguinte redacção:
«Artigo 32.º
Disposições transitórias
1 . Os alunos retidos no 10.º ano no ano lectivo de 2006/07 são integrados no 10.º ano nos planos de estudo reajustados pelo Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho.
2 . Aos alunos que ficaram retidos no 10.º ano, em 2006-2007, tendo obtido aprovação na disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação, é facultada a possibilidade de considerar essa disciplina como complemento de currículo.
3. Aos alunos do curso científico-humanístico de Línguas e Literaturas retidos no 10.º ano em 2006/07, que obtiveram classificação igual ou superior a 10 valores na disciplina trienal de Língua Estrangeira, da componente de formação específica, é dada a possibilidade de considerar a disciplina como opção bienal do novo curso de Línguas e Humanidades, podendo ainda matricular-se nela para melhoria de classificação.
10
4. Para os alunos abrangidos pelos planos de estudo criados pelo Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro, anteriores às alterações definidas pelo Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho, mantêm-se em vigor as disposições que lhes sejam especificamente aplicáveis na redacção inicial da Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 259/2006, de 14 de Março, sem prejuízo do disposto nos números 5 e 6 do presente artigo.
5. Aplicam-se aos planos de estudo referidos no número anterior as seguintes disposições constantes da presente portaria:
a) Artigo 2.º, havendo ainda lugar ao reforço de um segmento de 45 minutos na disciplina bienal de Língua Estrangeira II ou III da componente de formação específica do curso de Línguas e Literaturas;
b) Número 2 do artigo 4º;
c) Número 4 e 6 do artigo 9.º;
d) Números 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 16 do artigo 16.º;
e) Números 5, 8, 10 e 11 do artigo 17º;
f) Números 6, 7 e 8 do artigo 26º;
g) Número 7 do artigo 30º;
h) Anexo I, excepto no que respeita à disciplina anual de Aplicações Informáticas B, anexo II e anexo IV, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
6. Para os alunos dos planos de estudo referidos no número 4 do presente artigo, o exame final nacional da disciplina bienal de Aplicações Informáticas B é realizado através de uma prova escrita (E), com a duração de 120 minutos, e a prova de equivalência à frequência da disciplina anual de Tecnologias da Informação e Comunicação é realizada através de uma prova prática (P), com a duração de 120 minutos.
7. Os alunos dos planos de estudo referidos no número 4 que não aprovarem nos anos lectivos subsequentes a 2007/2008 podem, por um período de transição definido até ao ano lectivo de 2009/2010, optar por:
a) integrar-se no novo plano de estudos, nos termos da presente portaria;
b) concluir o seu percurso escolar no plano de estudo iniciado.
11
8. Os alunos referidos na alínea b) do número anterior podem:
a) realizar as disciplinas em falta comuns aos planos de estudo reajustados por frequência juntamente com os alunos destes últimos e ainda por exame nacional ou prova de equivalência à frequência, conforme os casos;
b) realizar as disciplinas em falta, que não integram os planos de estudo reajustados, por exame nacional ou prova de equivalência à frequência, conforme os casos. »
Artigo nº 3
Os anexos I, II e IV à Portaria n.º 259/2006, de 14 de Março, passam a ter a redacção constante dos anexos I, II e IV à presente Portaria, da qual fazem parte integrante.
Artigo nº 4
É republicada em Anexo a Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 259/2006, de 14 de Março, e pela presente portaria.
Em 21 de Setembro de 2007
O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
(Valter Victorino Lemos)
Valter
Lemos
Assinado de forma digital por Valter
Lemos
DN: cn=Valter Lemos, c=PT,
o=Ministério da Educação,
ou=Secretário de Estado da Educação
Dados: 2007.09.21 18:03:49 +01'00'
12
ANEXO I
PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA: TIPOS DE PROVAS A REALIZAR EM CADA DISCIPLINA E ÁREA NÃO DISCIPLINAR E RESPECTIVA DURAÇÃO
DISCIPLINA/
ÁREA CURRICULAR
CURSO/ANO
Nº DE ANOS
PROVAS
DURAÇÃO
(em minutos)
Antropologia
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Aplicações Informáticas B
Científico-Humanísticos/12º
1
P
90
Área de Projecto
Científico-Humanísticos/12º
1
Pr
45
Biologia*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Ciência Política
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Clássicos da Literatura
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Direito
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Economia C
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Educação Física
Científico-Humanísticos/12º
3
EP
90+90
Filosofia A
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Filosofia
Científico-Humanísticos/11º
2
E
90
Física*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Geografia C
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Geologia*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Grego
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Latim B
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
1
E
90
Língua Estrangeira I, II ou III (formação geral)
Científico-Humanísticos/11º
2
EO
90+25
Língua Estrangeira I , II ou III (formação específica - 12º ano)
Científico-Humanísticos/12º
1
EO
90+25
Literaturas de Língua Portuguesa
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
1
E
90
Materiais e Tecnologias
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
1
E
120
Oficina de Artes
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
1
P
120
Oficina de Multimédia B
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
1
P
120
Psicologia B
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Química*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Sociologia
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
* A componente prática das provas escritas com componente prática tem uma tolerância de trinta minutos
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/12º
1
E
90
13
ANEXO II
EXAMES FINAIS NACIONAIS: TIPO DE PROVA A REALIZAR EM CADA DISCIPLINA E RESPECTIVA DURAÇÃO
DISCIPLINA
CURSO/ANO
PROVA
Nº DE ANOS
DURAÇÃO
(em minutos)
Biologia e Geologia
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/11º
E
2
120
Desenho A
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
P
3
150
Economia A
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/11º
E
2
120
Física e Química A
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/11º
E
2
120
Geografia A
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/11º
E
2
120
Geometria Descritiva A
Científico-Humanístico de Artes Visuais/11º
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/ 11º
P
2
150
História A
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
E
3
120
História B
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/11º
E
2
120
História da Cultura e das Artes
Científico-Humanístico de Artes Visuais/11º
E
2
120
Latim A
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
120
Língua Estrangeira I, II ou III
(formação específica)
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
120
Literatura Portuguesa
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
120
Matemática A
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/12º
E
3
150
Matemática Aplicada às Ciências Sociais
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
150
Matemática B
Científico-Humanístico de Artes Visuais/11º
E
2
150
Português
Científico-Humanísticos/12º
E
3
120
14
ANEXO IV
DISCIPLINAS ANUAIS DE 12.º ANO
TABELA DE PRECEDÊNCIAS
DISCIPLINAS PRECEDENTES
DISCIPLINAS DE 12º ANO
Biologia e Geologia
Biologia
Biologia e Geologia
Geologia
Física e Química A ou B
Física
Física e Química A ou B
Química
Filosofia
Filosofia A
Literatura Portuguesa
Literaturas de Língua Portuguesa
Latim A
Latim B
Língua Estrangeira II ou III (nível de iniciação)
Língua Estrangeira II ou III (nível de iniciação)
Língua Estrangeira I ou II (nível de continuação)
Língua Estrangeira I ou II (nível de continuação)
15
ANEXO
(a que se refere o artigo nº 4)
O Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão do currículo, bem como da avaliação e certificação das aprendizagens do nível secundário de educação, aplicáveis aos diferentes percursos do nível secundário de educação.
Importa, neste momento, materializar a execução dos princípios então enunciados definindo as regras de organização, funcionamento e avaliação dos cursos científico – humanísticos, oferta vocacionada para o prosseguimento de estudos de nível superior.
Assim, ao abrigo do disposto no artigo 5.º e do número 3 do artigo 10º do Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março:
Manda o Governo, pelo Ministro da Educação, o seguinte:
CAPÍTULO I
Disposições Gerais
Artigo 1.º
Objecto e fins
1. O presente regime de organização, funcionamento e avaliação aplica-se aos cursos científico-humanísticos de nível secundário de educação, ministrados em estabelecimentos de ensino público, particular e cooperativo.
2. Estabelece ainda os princípios e os procedimentos a observar na avaliação, bem como os efeitos da mesma.
16
Artigo 2.º
Cargas horárias
1. As cargas horárias constantes das matrizes são estabelecidas a partir de uma unidade lectiva de noventa minutos correspondente à duração efectiva do tempo de leccionação, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
2. As cargas horárias semanais podem ser organizadas e distribuídas de forma diferenciada, em função da natureza das disciplinas e das condições existentes na escola, sem prejuízo da unidade lectiva legalmente fixada, com excepção das disciplinas a seguir indicadas, às quais é atribuído um reforço semanal da carga horária de 45 minutos, que deverá funcionar em associação com uma unidade lectiva de 90 minutos, no sentido de viabilizar a componente prática e/ou experimental destas disciplinas.
a) Disciplinas bienais de Física e Química A e de Biologia e Geologia e disciplinas anuais de Física, de Química, de Biologia e de Geologia do curso de Ciências e Tecnologias;
b) Disciplina bienal de Língua Estrangeira I, II ou III da componente de formação específica do curso de Línguas e Humanidades;
c) Disciplina trienal de Desenho A e disciplinas anuais de Oficina de Artes, de Oficina Multimédia B e de Materiais e Tecnologias do curso de Artes Visuais.
3. (Revogado)
4. (Revogado)
Artigo 3.º
Gestão do currículo
1. As escolas, no âmbito da sua autonomia e no desenvolvimento do seu projecto educativo, podem apresentar propostas que, cumprindo no mínimo as matrizes curriculares legalmente estabelecidas, as complementem.
2. A proposta a apresentar à direcção regional de educação deve sempre atender à necessidade de incorporar, no plano de estudo respectivo, a natureza complementar da oferta, ficando a sua aprovação dependente da disponibilidade de recursos humanos e físicos e da avaliação dos fundamentos pedagógicos e sociais.
17
3. A proposta deve ser apresentada à direcção regional de educação no âmbito do processo do planeamento da rede de ofertas educativas.
4. A matriz e os respectivos planos de estudo, na componente de formação específica, incluem, além de uma disciplina trienal, disciplinas bienais e anuais, cuja escolha e combinação, em função do percurso formativo pretendido e das concretas possibilidades de oferta de escola, obedecem às regras seguintes:
a) O aluno inicia duas disciplinas bienais no 10.º ano a escolher de entre as disciplinas bienais da componente de formação específica do respectivo curso;
b) O aluno escolhe duas disciplinas anuais no 12.º ano sendo uma delas obrigatoriamente ligada à natureza do curso – leque de opções c) do plano de estudos do respectivo curso;
c) A escolha das disciplinas a iniciar no 12.º ano, é condicionada pela respectiva precedência, nos termos da alínea seguinte e de acordo com o Anexo IV;
d) O aluno que tenha tido aproveitamento e/ou frequentado a disciplina bienal precedente com assiduidade, nos termos da legislação em vigor, até ao final do ciclo de estudos da mesma, pode escolher iniciar a disciplina de 12.º ano correspondente;
e) O aluno pode, no final do 11.º ano ou do 12.º ano, substituir qualquer disciplina bienal da componente de formação específica por outra bienal da mesma componente de formação e do mesmo plano de estudo em que tenha obtido aprovação;
f) O aluno pode, no final do 10.º ano, substituir uma das disciplinas bienais da componente de formação específica por outra da mesma componente de formação e do mesmo plano de estudo, a cuja frequência dá início, enquanto disciplina de 10.º ano, de acordo com as possibilidades da escola, designadamente no que diz respeito à existência de vagas nas turmas constituídas e à compatibilidade de horários, sendo a nova disciplina contabilizada para efeitos de transição ao 11.º ano;
g) O aluno pode, no final do 12.º ano, quer tenha concluído este ano de escolaridade ou não, substituir qualquer disciplina anual da componente de formação específica por outra da mesma componente de formação, sem prejuízo do disposto na alínea b);
h) Na disciplina de Língua Estrangeira I, II ou II da componente de formação geral, o aluno pode igualmente substituir a língua estrangeira escolhida, nos termos definidos nas alíneas e) e f).
5. O percurso formativo do aluno pode ainda ser diversificado e complementado, mediante a inscrição noutras disciplinas, ou realização de exame nacional ou prova de equivalência à frequência, conforme os casos, de acordo com a oferta da escola, sem prejuízo do disposto nas alíneas seguintes:
a) O registo da frequência e do aproveitamento destas disciplinas consta do processo do aluno, expressamente como disciplina de complemento do currículo, contando a respectiva classificação para o cálculo da média final de curso, por opção do aluno, desde que integrem o plano de estudo do respectivo curso;
18
b) A classificação obtida nestas disciplinas não é considerada para efeitos de transição de ano e de conclusão de curso, sem prejuízo do disposto na alínea seguinte;
c) A classificação obtida nestas disciplinas será considerada para efeitos de transição de ano e de conclusão de curso quando, satisfeitos os requisitos estabelecidos no número 4, o aluno pretenda utilizá-las para substituição de disciplinas do seu plano de estudo;
d) A Língua Estrangeira I, como disciplina facultativa, a que se refere a alínea a) das matrizes dos cursos científico-humanísticos, é considerada, para todos os efeitos, uma disciplina de complemento do currículo.
6. Após a conclusão de qualquer curso, o aluno pode frequentar outro curso, ou outras disciplinas do mesmo ou de outros cursos, de acordo com a oferta de escola.
7. A classificação obtida nas disciplinas referidas no número anterior pode contar, por opção do aluno, para efeitos de cálculo da média final de curso, desde que a frequência seja iniciada no ano seguinte ao da conclusão do curso, as disciplinas integrem o plano de estudo do curso concluído e sejam concluídas no período correspondente ao ciclo de estudo das mesmas.
Artigo 4.º
Assiduidade
1. Ultrapassado o limite de faltas injustificadas, definido no artigo 21.º da Lei n.º 30/2002, de 20 de Dezembro, em qualquer disciplina ou área não disciplinar, o aluno é excluído da frequência dessa disciplina ou área não disciplinar, até final do ano lectivo em curso.
2. Para os efeitos previstos no número anterior, o tempo de leccionação de 135 minutos, resultante do reforço de 45 minutos associado a uma unidade lectiva de 90 minutos, estabelecido no número 2 do artigo 2.º, corresponde a uma aula e a uma falta para o aluno.
19
CAPÍTULO II
AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS
SECÇÃO I
Objecto e Princípios
Artigo 5.º
Objecto e finalidades
1. A avaliação incide sobre as aprendizagens globalmente fixadas para as disciplinas e área não disciplinar constantes nos respectivos planos de estudo.
2. As aprendizagens ligadas a componentes do currículo de carácter transversal ou de natureza instrumental, nomeadamente no âmbito da educação para a cidadania ou da compreensão e expressão em língua portuguesa, constituem, numa perspectiva formativa, objecto de avaliação em todas as disciplinas e área não disciplinar.
3. A avaliação visa:
a) Apoiar o processo educativo, de forma a sustentar o sucesso dos alunos;
b) Certificar as competências adquiridas pelo aluno à saída do ensino secundário;
c) Contribuir para melhorar a qualidade do sistema educativo, possibilitando a tomada de decisões para o seu aperfeiçoamento e o reforço da confiança social no seu funcionamento.
Artigo 6.º
Princípios
A avaliação das aprendizagens orienta-se pelos seguintes princípios:
a) Qualidade das aprendizagens, entendida a avaliação como instrumento regulador;
b) Contextualização, entendida como a consistência entre as actividades de avaliação e as actividades de aprendizagem, numa perspectiva de integração do ensino, da aprendizagem e da avaliação;
20
c) Diversificação de técnicas e instrumentos de avaliação, de acordo com a natureza das aprendizagens e dos contextos em que ocorrem;
d) Diversificação dos intervenientes, valorizando processos de auto-avaliação dos alunos e a participação activa dos encarregados de educação e outros intervenientes, sem prejuízo do papel fundamental do professor, em função da complexidade do processo de avaliação;
e) Transparência do processo de avaliação, nomeadamente através da explicitação e divulgação dos critérios adoptados;
f) Valorização da informação sistemática ao aluno sobre o seu desempenho, com vista à melhoria das aprendizagens.
SECÇÃO II
Processo de avaliação
Artigo 7.º
Intervenientes
1. Intervêm no processo de avaliação:
a) O professor;
b) O aluno;
c) O conselho de turma;
d) Os órgãos de gestão da escola;
e) O encarregado de educação;
f) Os serviços com competência em matéria de apoio sócio-educativo;
g) A administração educativa.
2. A avaliação dos alunos é da responsabilidade do professor, do conselho de turma, dos órgãos de gestão da escola, assim como dos serviços centrais e regionais do Ministério da Educação.
3. A escola deve assegurar as condições de participação dos alunos e dos encarregados de educação, dos serviços com competência em matéria de apoio sócio-educativo e dos demais intervenientes, nos termos definidos no regulamento interno.
21
Artigo 8.º
Critérios de avaliação
1. Compete ao conselho pedagógico da escola, de acordo com as orientações do currículo nacional, definir, no início do ano lectivo, os critérios de avaliação para cada ano de escolaridade, disciplina e área não disciplinar, sob proposta dos departamentos curriculares, contemplando obrigatoriamente critérios de avaliação da componente prática e/ou experimental, de acordo com a natureza das disciplinas.
2. Os critérios de avaliação mencionados no número anterior constituem referenciais comuns no interior de cada escola, sendo operacionalizados pelo conselho de turma.
3. Os órgãos de gestão da escola asseguram a divulgação dos critérios referidos nos números anteriores aos vários intervenientes, em especial, aos alunos e aos encarregados de educação.
Artigo 9.º
Produção, tratamento e análise de informação sobre as aprendizagens dos alunos
1. A produção de informação é da responsabilidade:
a) Do professor ou equipa de professores responsáveis pela organização do processo de ensino-aprendizagem, quando se trate de informação a obter no seu decurso, tendo em vista a avaliação formativa e a avaliação sumativa;
b) Do conselho pedagógico, quando se trate de informação a obter através da realização de provas de equivalência à frequência;
c) Dos competentes serviços centrais do Ministério da Educação, quando se trate de informação a obter através da realização de exames finais nacionais.
2. A informação a que se refere a alínea a) do número anterior é obtida através de diferentes instrumentos, de acordo com a natureza das aprendizagens e dos contextos em que ocorrem.
22
3. A informação a que se referem as alíneas b) e c) do número 1 é obtida através de provas, que, de acordo com as características de cada disciplina ou área não disciplinar, e em função dos parâmetros previamente definidos, podem ser de um dos seguintes tipos:
a) Prova escrita (E);
b) Prova oral (O) - prova cuja realização depende das competências de expressão oral do aluno e implica a presença de um júri e a utilização, por este, de um registo estruturado do desempenho do aluno;
c) Prova prática (P) - prova cuja resolução implica a manipulação de materiais, instrumentos e equipamentos, com eventual produção escrita, incidindo sobre o trabalho prático produzido, podendo implicar a presença de um júri e a utilização, por este, de um registo estruturado do desempenho do aluno;
d) Prova escrita com componente prática (EP) – prova que pode exigir, da parte do aluno, um relatório, a anexar à componente escrita, respeitante à componente prática/experimental, implicando esta última a presença de um júri ou do professor da disciplina e a utilização por estes de um registo estruturado do desempenho do aluno;
e) Prova de projecto (Pr) – prova que consiste na defesa de um projecto e do respectivo relatório de desenvolvimento, perante um júri ou perante o professor da disciplina
4. As provas referidas no número anterior, quando se trate de provas de equivalência à frequência, incidem sobre as aprendizagens correspondentes à totalidade dos anos que constituem o plano curricular da disciplina ou área não disciplinar em que se realizam.
5. Quando se trate de exames finais nacionais, apenas há lugar, consoante a natureza das disciplinas, à realização das provas referidas nas alíneas a) e c) do número 3.
6. São obrigatórios momentos formais de avaliação da oralidade ou da dimensão prática ou experimental, integrados no processo de ensino-aprendizagem, de acordo com as alíneas seguintes:
a) Na disciplina de Português a componente de oralidade tem um peso de 25% no cálculo da classificação a atribuir em cada momento formal de avaliação, nos termos da alínea a) do número 2 do Artigo 14.º;
b) Na disciplina de Língua Estrangeira a componente de oralidade tem um peso de 30% no cálculo da classificação a atribuir em cada momento formal de avaliação, nos termos da alínea a) do número 2 do Artigo 14.º;
c) Nas disciplinas bienais de Física e Química A e de Biologia e Geologia, nas disciplinas anuais de Biologia, de Física, de Geologia e de Química, a componente prática e/ou experimental
23
tem um peso mínimo de 30% no cálculo da classificação a atribuir em cada momento formal de avaliação, nos termos da alínea a) do número 2 do Artigo 14.º.
Artigo 10.º
Registo, tratamento e análise da informação
1. Em cada estabelecimento de ensino devem ser desenvolvidos procedimentos de registo, de tratamento e análise dos resultados da informação relativa à avaliação das aprendizagens dos alunos, proporcionando o desenvolvimento de práticas de auto-avaliação da escola que visem a melhoria do seu desempenho.
2. A informação tratada e analisada é disponibilizada à comunidade escolar.
Artigo 11.º
Modalidades de avaliação
As modalidades de avaliação são as referidas no artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro, e pelo Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho.
Artigo 12.º
Avaliação formativa
1. A avaliação formativa é contínua e sistemática e tem função diagnóstica, permitindo ao professor, ao aluno, ao encarregado de educação e a outras pessoas ou entidades legalmente autorizadas, obter informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens, com vista à definição e ao ajustamento de processos e estratégias.
2. A avaliação formativa é da responsabilidade do professor, em interacção com o aluno, na perspectiva de promoção da auto-avaliação, em colaboração com os outros professores, no âmbito do conselho de turma e, ainda, sempre que necessário, com os serviços com competência em matéria de apoio sócio-educativo e os encarregados de educação.
24
3. Compete ao órgão de direcção executiva da escola, sob proposta do conselho de turma, a partir dos dados da avaliação formativa, mobilizar e coordenar os recursos educativos existentes, com vista a desencadear respostas adequadas às necessidades dos alunos.
4. Compete ao conselho pedagógico apoiar e acompanhar o processo definido no número anterior.
Artigo 13.º
Avaliação sumativa
1. A avaliação sumativa consiste na formulação de um juízo globalizante sobre o grau de desenvolvimento das aprendizagens do aluno e tem como objectivos a classificação e a certificação.
2. A avaliação sumativa, em cada disciplina e área não disciplinar, é expressa na escala de zero a 20 valores.
3. A avaliação sumativa inclui:
a) A avaliação sumativa interna;
b) A avaliação sumativa externa.
Artigo 14.º
Avaliação sumativa interna
1. A avaliação sumativa interna destina-se a:
a) Informar o aluno e/ou o seu encarregado de educação sobre o desenvolvimento das aprendizagens definidas para cada disciplina e área não disciplinar;
b) Tomar decisões sobre o percurso escolar do aluno.
2. A avaliação sumativa interna realiza-se:
a) Integrada no processo de ensino-aprendizagem e formalizada em reuniões do conselho de turma no final dos primeiro, segundo e terceiro períodos lectivos;
b) Através de provas de equivalência à frequência.
25
Artigo 15.º
Avaliação sumativa interna integrada no processo de ensino-aprendizagem
1. A avaliação sumativa interna integrada no processo de ensino-aprendizagem é formalizada em reuniões do conselho de turma, no final dos primeiro, segundo e terceiro períodos lectivos, tendo, no final do terceiro período, as seguintes finalidades:
a) Apreciação global do trabalho desenvolvido pelo aluno e do seu aproveitamento ao longo do ano;
b) Atribuição, no respectivo ano de escolaridade, de classificação de frequência ou de classificação final nas disciplinas e área não disciplinar;
c) Decisão, conforme os casos, sobre a progressão nas disciplinas ou transição de ano, bem como sobre a aprovação em disciplinas terminais e área não disciplinar, dos 10.º, 11.º e 12.º anos de escolaridade, não sujeitas a exame nacional.
2. A avaliação sumativa interna integrada no processo de ensino-aprendizagem é da responsabilidade conjunta e exclusiva dos professores que compõem o conselho de turma, sob critérios aprovados pelo conselho pedagógico de acordo com o disposto no número 1 do artigo 8.º
3. A classificação a atribuir a cada aluno é proposta ao conselho de turma pelo professor de cada disciplina e da área de projecto.
4. A decisão quanto à classificação final a atribuir a cada aluno é da competência do conselho de turma, que, para o efeito, aprecia a proposta apresentada por cada professor, as informações que a suportam e a situação global do aluno.
5. Compete ao director de turma coordenar o processo de tomada de decisões relativas a esta forma de avaliação sumativa interna e garantir tanto a sua natureza globalizante como o respeito pelos critérios de avaliação referidos no número 1 do artigo 8.º.
26
Artigo 16.º
Provas de equivalência à frequência
1. As disciplinas e a área não disciplinar em que existem provas de equivalência à frequência são as que constam do Anexo I, no qual se define igualmente o tipo e a duração das respectivas provas.
2. (Revogado)
3. Podem realizar provas de equivalência à frequência os candidatos autopropostos, nos termos definidos nos números seguintes.
4. Para todos os efeitos previstos no presente diploma, consideram-se autopropostos os candidatos que se encontrem em qualquer das seguintes situações:
a) Pretendam validar os resultados obtidos na frequência de estabelecimentos do ensino particular e cooperativo não dotados de autonomia ou de paralelismo pedagógico, de seminário não abrangido pelo disposto no Decreto-Lei n.º 293-C/86, de 12 de Setembro, ou de ensino individual ou doméstico;
b) Tenham estado matriculados no ano terminal da disciplina a que respeita o exame ou prova e anulado a matricula;
c) Pretendam obter aprovação em disciplina ou área não disciplinar cujo ano terminal frequentaram sem aprovação;
d) Pretendam obter aprovação em disciplinas do mesmo curso ou de curso diferente do frequentado e nas quais nunca tenham estado matriculados, desde que estejam ou tenham estado matriculados no ano curricular em que essas disciplinas são terminais;
e) Não tendo estado matriculados no ensino público ou no ensino particular e cooperativo ou, tendo estado matriculados, tenham anulado a matrícula em todas as disciplinas até ao quinto dia do terceiro período lectivo, possuam o terceiro ciclo do ensino básico, ou outra habilitação equivalente e reúnam as condições de admissão à prova de equivalência à frequência ou a exame final nacional previstas no presente diploma.
27
5. Os candidatos a que se refere a alínea e) do número anterior podem ser admitidos à prestação de provas de equivalência à frequência dos 11º e 12º anos de escolaridade.
6. Os alunos que se encontram a frequentar o 11.º ou o 12.º ano de escolaridade, e no mesmo ano lectivo se matricularam em disciplinas plurianuais em que não tenham progredido no 10.º ou 11.º anos de escolaridade, podem ser admitidos à prova de equivalência à frequência dessas disciplinas, ou ao exame final nacional, conforme o caso, desde que estejam ou tenham estado matriculados no ano curricular em que essas disciplinas são terminais, não determinando a eventual reprovação nesta prova a anulação da classificação obtida na frequência do ano ou anos curriculares anteriores.
7. Os alunos que, por excesso de faltas perderem direito à frequência ou anularem a matrícula em qualquer disciplina após o quinto dia do terceiro período lectivo, bem como aqueles que, em resultado da avaliação sumativa interna realizada no terceiro período não obtenham aprovação em qualquer disciplina, só podem apresentar-se à prova de equivalência à frequência dessa disciplina na 2.ª fase, sem prejuízo do disposto no número 9.
8. Os alunos que, em resultado da avaliação sumativa interna realizada no 3.º período, não obtenham aprovação na Área de Projecto só podem apresentar-se à prova de equivalência à frequência dessa área não disciplinar na 2.ª fase, sem prejuízo do disposto no número 11.
9. Aos alunos do 11.º ano é autorizada a realização de provas de equivalência à frequência ou exames finais nacionais na 2.ª fase quando transitam de ano não aprovados a uma ou duas disciplinas terminais ou quando, com a aprovação nesses exames ou provas, venham a reunir condições de transição para o ano de escolaridade seguinte.
10. Para efeitos de conclusão de curso, é facultada a apresentação a provas de equivalência à frequência ou a exames finais nacionais na 2.ª fase em qualquer disciplina ou área não disciplinar independentemente do ano do plano de estudo a que pertençam, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
28
11. A realização de prova de equivalência à frequência na Área de Projecto, tendo em consideração o disposto no número 3 do artigo 30.º da presente portaria, apenas é autorizada nas seguintes condições:
a) Aos alunos que tenham frequentado essa área não disciplinar sem a concluir e pretendam realizar a prova para efeitos de conclusão de curso;
b) Aos alunos que, não estando matriculados em nenhuma disciplina, se apresentem a exames finais nacionais ou provas de equivalência à frequência, conforme os casos, na qualidade de autopropostos para efeitos de conclusão de curso.
12. Os alunos aprovados em disciplinas terminais dos 11.º e 12.º anos de escolaridade que pretendam melhorar a sua classificação, podem requerer, para esse efeito, a realização de provas de equivalência à frequência ou de exames finais nacionais na 2.ª fase do ano em que concluíram as referidas disciplinas e em ambas as fases do ano escolar seguinte, apenas sendo considerada a nova classificação se for superior à anteriormente obtida, sem prejuízo do disposto no n.º 16 do presente artigo.
13. Para efeito de melhoria de classificação, são válidas somente as provas prestadas em disciplinas com os mesmos programas e do plano de estudo em que o aluno obteve a primeira aprovação.
14. Não é permitida a realização de provas de equivalência à frequência para melhoria de classificação em disciplinas cuja aprovação foi obtida noutros sistemas de ensino ou concedida mediante despacho de equivalência.
15. Os procedimentos específicos a observar no desenvolvimento das provas de equivalência à frequência são objecto de regulamentação própria.
16. Na Área de Projecto, área curricular não disciplinar, não é permitida a realização de prova de equivalência à frequência para efeitos de melhoria de classificação.
29
Artigo 17.º
Avaliação sumativa externa
1. A avaliação sumativa externa destina-se a aferir o grau de desenvolvimento das aprendizagens dos alunos, mediante o recurso a instrumentos de avaliação definidos a nível nacional.
2. A avaliação sumativa externa realiza-se através de exames finais nacionais, organizados pelos serviços centrais do Ministério da Educação.
3. Podem realizar exames finais nacionais os alunos internos, nos termos definidos no número seguinte, e os candidatos autopropostos, nos termos definidos para a realização de provas de equivalência à frequência.
4. Para todos os efeitos previstos no presente diploma, são internos em cada disciplina os alunos que a frequentem até ao final do ano lectivo, em estabelecimento de ensino público ou do ensino particular e cooperativo dotado de autonomia ou de paralelismo pedagógico, ou ainda em seminário abrangido pelo disposto no Decreto-Lei n.º 293-C/86, de 12 de Setembro, e que reúnam as condições de admissão a exame previstas no número 7.
5. Os exames finais nacionais realizam-se nos termos definidos no artigo 11º do Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações do Decreto-Lei nº 24/2006, de 6 de Fevereiro, e incidem sobre o programa correspondente ao 12º ano, no caso das disciplinas trienais, e sobre os programas relativos à totalidade dos anos de escolaridade em que a disciplina é leccionada, nos restantes casos.
6. Os exames finais nacionais a que se referem os números anteriores, o tipo de prova a realizar em cada disciplina, bem como a respectiva duração, constam do Anexo II.
7. Podem apresentar-se à realização de exames finais nacionais os alunos internos que, na avaliação interna da disciplina, a cujo exame se apresentam, tenham obtido uma classificação igual ou superior a 8 valores no ano terminal e a 10 valores na classificação interna final, calculada através da média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações de cada um dos anos em que a disciplina foi ministrada.
30
8. Os candidatos a que se refere a alínea e) do ponto 4 do artigo 16º podem apresentar-se à realização de exames finais nacionais dos 11º e 12º anos de escolaridade.
9. Os alunos que, por excesso de faltas perderem direito à frequência, anularem a matrícula em qualquer disciplina após o quinto dia do terceiro período lectivo, bem como aqueles que, em resultado da avaliação sumativa interna realizada no terceiro período lectivo não obtenham aprovação em qualquer disciplina, só podem apresentar-se a exame final nacional dessa disciplina na 2.ª fase.
10. Aos alunos do 11.º ano é autorizada a realização de exames finais nacionais ou provas de equivalência à frequência na 2.ª fase quando transitam de ano não aprovados em uma ou duas disciplinas terminais ou quando, com a aprovação nesses exames ou provas, venham a reunir condições de transição para o ano de escolaridade seguinte.
11. Para efeitos de conclusão de curso, é facultada a apresentação a exame final nacional ou prova de equivalência à frequência na 2.ª fase em qualquer disciplina ou área não disciplinar independentemente do ano do plano de estudo a que pertençam, sem prejuízo no disposto no n.º 11 do artigo 16.º.
12. Os alunos aprovados em disciplinas terminais do 11.º ou do 12.º ano de escolaridade sujeitas a exame nacional, que pretendam melhorar a sua classificação podem requerer, para esse efeito, exame final nacional na 2.ª fase do ano em que concluíram a disciplina e em ambas as fases do ano escolar seguinte, apenas sendo considerada a nova classificação se for superior à anteriormente obtida.
13. Para efeito de melhoria de classificação, são válidos somente os exames prestados em disciplinas com o mesmo programa e do plano de estudo em que o aluno obteve a primeira aprovação.
14. Não é permitida a realização de exames de melhoria de classificação em disciplinas cuja aprovação foi obtida noutros sistemas de ensino ou concedida mediante despacho de equivalência.
15. Os procedimentos específicos a observar no desenvolvimento da avaliação sumativa externa são objecto de regulamentação própria.
31
Artigo 18.º
Candidatos com necessidades educativas especiais de carácter permanente
Os candidatos com necessidades educativas especiais de carácter permanente, devidamente comprovadas, prestam em cada curso as provas de exame previstas para os restantes examinandos, podendo, no entanto, beneficiar de condições especiais de avaliação, ao abrigo da legislação em vigor.
SECÇÃO III
Efeitos da avaliação
Artigo 19.º
Efeitos da avaliação formativa
A avaliação formativa resulta na adopção de medidas de diferenciação pedagógica adequadas às características dos alunos e às aprendizagens a desenvolver.
Artigo 20.º
Efeitos da avaliação sumativa
A avaliação sumativa permite tomar decisões relativamente à:
a) Classificação em cada uma das disciplinas e área não disciplinar;
b) Progressão e aprovação em cada uma das disciplinas;
c) Aprovação na área não disciplinar;
d) Transição de ano;
e) Admissão de matrícula;
f) Conclusão do ensino secundário.
Artigo 21.º
Classificação final das disciplinas e área não disciplinar
1. A classificação final das disciplinas não sujeitas a exame final nacional e da área não disciplinar é obtida da seguinte forma:
32
a) Nas disciplinas anuais e na Área de Projecto, pela atribuição da classificação obtida na frequência;
b) Nas disciplinas plurianuais, pela média aritmética simples das classificações obtidas na frequência dos anos em que foram ministradas, com arredondamento às unidades.
2. A classificação final das disciplinas sujeitas a exame final nacional é o resultado da média ponderada, com arredondamento às unidades, da classificação obtida na avaliação interna final da disciplina e da classificação obtida em exame final, de acordo com a seguinte fórmula:
CFD = (7CIF + 3CE)/10
em que:
CFD = classificação final da disciplina;
CIF = classificação interna final, obtida pela média aritmética simples, com arredondamento às unidades, das classificações obtidas na frequência dos anos em que a disciplina foi ministrada;
CE = classificação em exame final.
3. A classificação final em qualquer disciplina pode também obter-se pelo recurso à realização exclusiva de provas de equivalência à frequência ou exames finais nacionais, conforme os casos, nos termos definidos no presente diploma, sendo a classificação final, em caso de aprovação, a obtida na prova ou no exame.
Artigo 22.º
Classificação final de curso
1. A classificação final do curso é o resultado da média aritmética simples com arredondamento às unidades, da classificação final obtida pelo aluno em todas as disciplinas e na Área de Projecto, do plano de estudo do respectivo curso.
2. A disciplina de Educação Moral e Religiosa não é considerada para efeitos de apuramento da classificação a que se refere o número anterior.
33
Artigo 23.º
Aprovação, transição e progressão
1. A aprovação do aluno em cada disciplina e na Área de Projecto depende da obtenção de uma classificação final igual ou superior a 10 valores.
2. Para efeitos do disposto no número anterior, a classificação de frequência no ano terminal das disciplinas plurianuais não pode ser inferior a 8 valores.
3. A transição do aluno para o ano de escolaridade seguinte verifica-se sempre que a classificação anual de frequência ou final de disciplina, consoante os casos, não seja inferior a 10 valores a mais que duas disciplinas, sem prejuízo dos números seguintes.
4. Para os efeitos previstos no número anterior, são consideradas as disciplinas constantes do plano de estudo a que o aluno tenha obtido classificação inferior a 10 valores, sido excluído por faltas ou anulado a matrícula.
5. Na transição do 11.º para o 12.º ano, para os efeitos previstos no número 3, são consideradas igualmente as disciplinas em que o aluno não progrediu na transição do 10.º para o 11.º ano.
6. Os alunos que transitam para o ano seguinte com classificações inferiores a 10 valores em uma ou duas disciplinas, nos termos do número 3, progridem nesta(s) disciplina(s) desde que a(s) classificação(ões) obtida(s) não seja(m) inferior(es) a 8 valores, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
7. Os alunos não progridem em disciplinas em que tenham obtido classificação inferior a 10 valores em dois anos curriculares consecutivos.
8. Os alunos que não transitam para o ano de escolaridade seguinte, nos termos do número 3, não progridem nas disciplinas em que obtiverem classificações inferiores a 10 valores.
9. Para os efeitos previstos no número 3, não é considerada a disciplina de Educação Moral e Religiosa, desde que frequentada com assiduidade.
34
10. Os alunos excluídos por faltas na disciplina de Educação Moral e Religiosa realizam, no final do 10.º, 11.º ou 12.º ano de escolaridade, consoante o ano em que se verificou a exclusão, uma prova especial de avaliação, elaborada a nível de escola, de acordo com a natureza da disciplina.
11. A aprovação na disciplina, na situação referida no número anterior, verifica-se quando o aluno obtém naquela prova uma classificação igual ou superior a 10 valores.
12. Nas situações em que o aluno tenha procedido a substituição de disciplinas no seu plano de estudo, nos termos do número 4 do artigo 3.º, as novas disciplinas passam a integrar o plano de estudo do aluno, sendo consideradas para efeitos de transição de ano, de acordo com as condições estabelecidas no presente artigo.
13. (Revogado)
SECÇÃO IV
Conselhos de turma de avaliação
Artigo 24.º
Constituição e funcionamento do conselho de turma
1. Para efeitos de avaliação dos alunos, o conselho de turma é constituído por todos os professores da turma, sendo seu presidente o director de turma, e o secretário nomeado pelo órgão de gestão do estabelecimento de ensino ou, no caso dos estabelecimentos de ensino particular e cooperativo, pelo órgão de direcção pedagógica.
2. Nos conselhos de turma, podem ainda intervir, sem direito a voto, os serviços com competência em matéria de apoio sócio – educativo e serviços ou entidades cuja contribuição o conselho pedagógico considere conveniente.
35
3. Sempre que por motivo imprevisto se verificar ausência de um membro do conselho de turma, a reunião deve ser adiada, no máximo por quarenta e oito horas, de forma a assegurar a presença de todos.
4. No caso da ausência a que se refere o número anterior ser presumivelmente longa, o conselho de turma reúne com os restantes membros, devendo o respectivo director de turma dispor de todos os elementos referentes à avaliação de cada aluno, fornecidos pelo professor ausente.
5. A deliberação final quanto à avaliação formativa e quanto à classificação quantitativa, é da competência do conselho de turma que, para o efeito, aprecia a proposta apresentada por cada professor, as informações que a suportam e a situação global do aluno.
6. As deliberações do conselho de turma devem resultar do consenso dos professores que o integram, admitindo-se o recurso ao sistema de votação quando se verificar a impossibilidade de obtenção desse consenso.
7. No caso de recurso à votação, todos os membros do conselho de turma devem votar mediante voto nominal, não sendo permitida a abstenção, sendo o voto de cada membro registado em acta.
8. A deliberação só pode ser tomada por maioria absoluta, tendo o presidente do conselho de turma voto de qualidade, em caso de empate.
9. Na acta da reunião de conselho de turma devem ficar registadas todas as deliberações e a respectiva fundamentação.
Artigo 25.º
Registo das classificações e ratificação das deliberações do conselho de turma
1. As classificações atribuídas no final dos primeiro, segundo e terceiro períodos, são registadas em pauta bem como nos restantes documentos previstos para esse efeito, os quais não devem mencionar, caso existam alunos com necessidades educativas especiais, a natureza das mesmas.
36
2. Em cada ano lectivo, o aproveitamento final de cada disciplina é expresso pela classificação atribuída pelo conselho de turma, na reunião de avaliação do terceiro período, pelo que aquela classificação deve exprimir a apreciação global do trabalho desenvolvido pelo aluno e o seu aproveitamento escolar ao longo do ano.
3. As deliberações do conselho de turma carecem de ratificação do responsável do órgão de gestão do estabelecimento de ensino.
4. O responsável do órgão de gestão do estabelecimento de ensino deve proceder à verificação das pautas e da restante documentação relativa às reuniões dos conselhos de turma, assegurando-se do integral cumprimento das disposições em vigor e da observância dos critérios definidos pelo conselho pedagógico, competindo-lhe desencadear os mecanismos necessários à correcção de eventuais irregularidades.
5. As pautas, após a ratificação prevista no número 3, são afixadas em local apropriado no interior da escola, nelas devendo constar a data da respectiva afixação.
6. O responsável do órgão de gestão do estabelecimento de ensino, sempre que o considere justificado, pode determinar a repetição da reunião do conselho de turma, informando sobre os motivos que fundamentam tal determinação.
7. Se, após a repetição da reunião, subsistirem factos que, no entender do responsável do órgão de gestão do estabelecimento de ensino, impeçam a ratificação da deliberação do conselho de turma, deve a situação ser apreciada em reunião do conselho pedagógico.
Artigo 26.º
Revisão das deliberações do conselho de turma
1. Após a afixação das pautas referentes ao terceiro período, o encarregado de educação, ou o próprio aluno, quando maior de idade, poderá requerer a revisão das deliberações do conselho de turma.
37
2. Os pedidos de revisão são apresentados em requerimento devidamente fundamentado em razões de ordem técnica, pedagógica ou legal, dirigido ao responsável do órgão de gestão do estabelecimento de ensino, no prazo de três dias úteis a contar da data da afixação da pauta com a classificação da avaliação sumativa interna, podendo o requerimento ser acompanhado dos documentos considerados pertinentes.
3. Os requerimentos recebidos depois de expirado o prazo fixado no número anterior, bem como os que não estiverem fundamentados, serão liminarmente indeferidos.
4. O responsável do órgão de gestão do estabelecimento de ensino convoca, nos cinco dias úteis após a aceitação do requerimento, para apreciação do pedido, uma reunião extraordinária do conselho de turma.
5. O conselho de turma, reunido extraordinariamente, aprecia o pedido e delibera sobre o mesmo, elaborando um relatório pormenorizado, que deve integrar a acta da reunião.
6. Nos casos em que o conselho de turma mantenha a sua deliberação, o processo aberto pelo pedido de revisão é enviado pelo presidente do órgão de gestão ao conselho pedagógico para decisão final, que deve ser fundamentada, instruindo-o com os seguintes documentos:
a) Requerimento do encarregado de educação (ou do aluno), e documentos apresentados com o mesmo;
b) Fotocópia da acta da reunião extraordinária do conselho de turma;
c) Fotocópias das actas das reuniões do conselho de turma correspondentes a todos os momentos de avaliação;
d) Relatório do director de turma, onde constem os contactos havidos com o encarregado de educação ao longo do ano;
e) Relatório do professor da disciplina visada no pedido de revisão, justificativo da classificação proposta no terceiro período e do qual constem todos os elementos de avaliação do aluno, recolhidos ao longo do ano lectivo;
f) Ficha de avaliação do aluno relativa aos três períodos lectivos.
38
7. (Revogado)
8. Da deliberação do conselho pedagógico e respectiva fundamentação é dado conhecimento ao interessado, através de carta registada com aviso de recepção, no prazo máximo de trinta dias úteis contados a partir da data da recepção do pedido de revisão.
9. Da deliberação que recaiu sobre o pedido de revisão pode ser interposto, no prazo de cinco dias úteis após a data de recepção da resposta, recurso hierárquico para o director regional de educação, quando o mesmo for baseado em vício de forma existente no processo.
10. Da decisão do recurso hierárquico não cabe qualquer outra forma de impugnação administrativa.
Artigo 27.º
Situações especiais
1. O conselho de turma de avaliação do terceiro período deve ter em atenção a ocorrência de alguma das situações especiais previstas no artigo 29.º.
2. Quando, ao abrigo das situações previstas no número anterior, se tenha realizado a prova extraordinária de avaliação (PEA), proceder-se-á à realização de uma reunião extraordinária do conselho de turma, para ratificação das classificações do aluno.
CAPÍTULO III
Artigo 28.º
Conclusão e certificação
1. Concluem o nível secundário de educação os alunos que obtenham aprovação em todas as disciplinas e Área de Projecto do plano de estudo do respectivo curso.
2. A conclusão de um curso é certificada através da emissão de:
39
a) Um diploma que ateste a conclusão do nível secundário de educação e indique o curso concluído e a respectiva classificação final;
b) Um certificado que discrimine as disciplinas e a área de projecto e as respectivas classificações finais, bem como as classificações de exame obtidas nas disciplinas em que foi realizado.
3. A requerimento dos interessados, podem ser emitidas pelo órgão de direcção executiva da escola, em qualquer momento do percurso escolar do aluno, certidões das habilitações adquiridas, as quais devem discriminar as disciplinas e áreas não disciplinares concluídas e respectivas classificações.
4. Nos casos previstos no número 6 do artigo 3º, a pedido do aluno, e em caso de aproveitamento será emitida certidão da qual conste a classificação obtida, ou, em caso de conclusão de outro curso, serão emitidos os respectivos diploma e certificado de conclusão.
5. Nos casos previstos no nº. 7 do artigo 3.º são emitidos novos diploma e certificado, nos termos previsto no n.º2, que substituem os anteriormente emitidos.
6. Os modelos de diploma e certificado previstos nos números anteriores são aprovados por despacho do Ministro da Educação.
Artigo 29.º
Situações especiais de classificação
1. Sempre que, em qualquer disciplina anual ou área não disciplinar, o número de aulas ministradas durante todo o ano lectivo não tenha atingido o número previsto para oito semanas completas, considera-se o aluno aprovado, sem atribuição de classificação nessa disciplina ou área não disciplinar.
2. Para obtenção de classificação nos casos referidos no número anterior, o aluno pode repetir a frequência da disciplina ou área não disciplinar, de acordo com as possibilidades da escola, ou requerer prova de equivalência à frequência.
40
3. No caso de esta situação ocorrer em disciplinas plurianuais não sujeitas a exame final nacional, considera-se o aluno aprovado ou em condições de progredir na disciplina, conforme se trate ou não de ano terminal da mesma, sem atribuição de classificação nesse ano curricular e sem prejuízo do disposto no número seguinte.
4. Para efeitos de atribuição de classificação final de disciplina, nos casos referidos no número anterior, considera-se a classificação obtida ou a média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações obtidas no(s) ano(s) em que foi atribuída classificação, excepto se a classificação final for inferior a 10 valores, caso em que o aluno deverá realizar prova de equivalência à frequência.
5. Para obtenção de classificação anual de frequência nos casos referidos no número 3, o aluno pode repetir a frequência da disciplina, de acordo com as possibilidades da escola, ou ainda, nos casos em que a situação ocorra no ano terminal da mesma, requerer prova de equivalência à frequência.
6. Sempre que, em qualquer disciplina sujeita a exame final nacional, o número de aulas leccionadas durante todo o ano lectivo não tenha atingido o número previsto para oito semanas completas, o aluno é admitido a exame ou progride, sem classificação nesse ano curricular, consoante se trate ou não de ano terminal da mesma, sendo a classificação interna final da disciplina igual à classificação obtida ou à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações anuais de frequência obtidas no(s) ano(s) em que foi atribuída classificação.
7. Para obtenção de classificação anual de frequência nos casos referidos no número anterior, o aluno pode repetir a frequência da disciplina, de acordo com as possibilidades da escola, excepto quando se tratar do ano terminal da mesma.
8. Nas situações referidas nos números 2, 5 e 7, apenas será considerada a classificação obtida se o aluno beneficiar dessa decisão.
9. Se, por motivo da exclusiva responsabilidade da escola ou por falta de assiduidade motivada por doença prolongada, ou por impedimento legal devidamente comprovado, não existirem, em qualquer disciplina ou área não disciplinar, elementos de avaliação sumativa interna respeitantes
41
ao terceiro período lectivo, a classificação anual de frequência é a obtida no segundo período lectivo.
10. Sempre que, por falta de assiduidade motivada por doença prolongada, ou por impedimento legal devidamente comprovado, o aluno frequentar as aulas durante um único período lectivo, fica sujeito à realização de uma prova extraordinária de avaliação em cada disciplina, excepto naquelas em que realizar, no ano curricular em causa, de acordo com o seu plano de estudo, exame final nacional.
11. Para efeitos do número anterior, a classificação anual de frequência a atribuir a cada disciplina é a seguinte:
CAF = (CF + PEA) /2
em que:
CAF = Classificação anual de frequência
CF = Classificação de frequência do período frequentado
PEA = Classificação da Prova Extraordinária de Avaliação
12. Quando a disciplina é sujeita, no ano curricular em causa, a exame final nacional, considera-se a classificação do período frequentado como classificação anual de frequência da disciplina.
13. Se a classificação interna final, calculada nos termos do número anterior, for inferior a 10 valores, esta não é considerada para efeitos do cálculo da classificação final da disciplina, prevista no número 2 do artigo 21.º.
14. A prova extraordinária de avaliação deverá abranger a totalidade do programa do ano curricular em causa, sendo os procedimentos específicos a observar no seu desenvolvimento os que constam do Anexo III.
15. Sempre que a obtenção de aprovação na disciplina implique a realização de exame nacional, o aluno não é dispensado da respectiva prestação.
42
16. Se, por motivo da exclusiva responsabilidade da escola, apenas existirem em qualquer disciplina ou área não disciplinar elementos de avaliação respeitantes a um dos três períodos lectivos, os alunos podem optar entre:
a) Ser-lhes considerada como classificação anual de frequência a obtida nesse período;
b) Não lhes ser atribuída classificação anual de frequência nessa disciplina ou área não disciplinar.
17. Na situação prevista na alínea b) do número anterior, observa-se o seguinte:
a) No caso de disciplinas anuais ou área não disciplinar, considera-se o aluno aprovado, sem atribuição de classificação;
b) No caso de disciplinas plurianuais não sujeitas a exame nacional, considera-se o aluno aprovado ou em condições de progredir na disciplina, conforme se trate ou não do ano terminal da mesma, sem atribuição de classificação nesse ano curricular, sem prejuízo do disposto na alínea seguinte;
c) Para efeitos de atribuição de classificação final de disciplina, nos casos referidos na alínea anterior, considera-se a classificação obtida ou a média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações obtidas no(s) ano(s) em que foi atribuída classificação, excepto se a classificação final for inferior a 10 valores, caso em que o aluno deverá realizar prova de equivalência à frequência;
d) No caso de disciplinas sujeitas a exame final nacional, o aluno é admitido a exame ou progride, sem classificação nesse ano curricular, consoante se trate ou não de ano terminal da mesma, sendo a classificação interna final da disciplina igual à classificação obtida ou à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações anuais de frequência obtidas no(s) ano(s)em que foi atribuída classificação, sem prejuízo da alínea seguinte;
e) Se a classificação interna final, calculada nos termos da alínea anterior, for inferior a 10 valores, esta não é considerada para efeitos do cálculo da classificação final da disciplina, prevista no número 2 do artigo 21.º.
43
Artigo 30.º
Condições especiais e restrições de matrícula
1. Ao aluno que transita de ano com classificação igual a 9 ou 8 valores em uma ou duas disciplinas, é permitida a matrícula em todas as disciplinas ou área não disciplinar do ano de escolaridade seguinte, incluindo aquela ou aquelas em que obteve essas classificações.
2. Não é autorizada a matrícula em disciplinas em que o aluno tenha obtido classificação inferior a 10 valores em dois anos curriculares consecutivos.
3. Não é autorizada a anulação de matrícula na Área de Projecto e na disciplina de Educação Moral e Religiosa, a menos que o aluno anule também a matrícula a todas as outras disciplinas.
4. Aos alunos retidos, além da renovação da matrícula nas disciplinas e área não disciplinar em que não progrediram ou não obtiveram aprovação, é ainda facultado matricularem-se, nesse ano, em disciplinas e área não disciplinar do mesmo ano de escolaridade em que tenham progredido ou sido aprovados, para efeitos de melhoria de classificação, a qual só será considerada quando for superior à já obtida.
5. Aos alunos que transitem de ano não progredindo ou não obtendo aprovação em uma ou duas disciplinas, é autorizada a matrícula no ano curricular em que se verifica a não progressão ou aprovação, de acordo com as possibilidades da escola.
6. O aluno não pode matricular-se mais de três vezes para frequência do mesmo ano de escolaridade do curso em que está inserido, podendo, todavia, fazê-lo noutro curso de nível secundário de educação.
7. Aos alunos que não concluíram o ensino secundário por não terem obtido aprovação em uma ou duas disciplinas do 11º ano é permitida, para além da renovação da matrícula nas disciplinas em que não obtiveram aprovação, a matrícula em disciplinas e área não disciplinar do 12º ano para efeitos de melhoria de classificação, de acordo com as possibilidades da escola.
44
Artigo 31.º
Reclamações e Recursos
As decisões referentes às provas de equivalência à frequência e aos exames finais nacionais são passíveis de impugnação administrativa nos termos legais.
Artigo 32.º
Disposições Transitórias
1 . Os alunos retidos no 10.º ano no ano lectivo de 2006/07 são integrados no 10.º ano nos planos de estudo reajustados pelo Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho.
2 . Aos alunos que ficaram retidos no 10.º ano, em 2006-2007, tendo obtido aprovação na disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação, é facultada a possibilidade de considerar essa disciplina como complemento de currículo.
3. Aos alunos do curso científico-humanístico de Línguas e Literaturas retidos no 10.º ano em 2006/07, que obtiveram classificação igual ou superior a 10 valores na disciplina trienal de Língua Estrangeira, da componente de formação específica, é dada a possibilidade de considerar a disciplina como opção bienal do novo curso de Línguas e Humanidades, podendo ainda matricular-se nela para melhoria de classificação.
4. Para os alunos abrangidos pelos planos de estudo criados pelo Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro, anteriores às alterações definidas pelo Decreto-Lei n.º 272/2007, de 26 de Julho, mantêm-se em vigor as disposições que lhes sejam especificamente aplicáveis na redacção inicial da Portaria n.º 550-D/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 259/2006, de 14 de Março, sem prejuízo do disposto nos números 5 e 6 do presente artigo.
5. Aplicam-se aos planos de estudo referidos no número anterior as seguintes disposições constantes da presente portaria:
45
a) Artigo 2.º, havendo ainda lugar ao reforço de um segmento de 45 minutos na disciplina bienal de Língua Estrangeira II ou III da componente de formação específica do curso de Línguas e Literaturas;
b) Número 2 do artigo 4º;
c) Número 4 e 6 do artigo 9.º;
d) Números 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 16 do artigo 16.º;
e) Números 5, 8, 10 e 11 do artigo 17º;
f) Números 6, 7 e 8 do artigo 26º;
g) Número 7 do artigo 30º;
h) Anexo I, excepto no que respeita à disciplina anual de Aplicações Informáticas B, anexo II e anexo IV, sem prejuízo do disposto no número seguinte.
6. Para os alunos dos planos de estudo referidos no número 4 do presente artigo, o exame final nacional da disciplina bienal de Aplicações Informáticas B é realizado através de uma prova escrita (E), com a duração de 120 minutos, e a prova de equivalência à frequência da disciplina anual de Tecnologias da Comunicação e Informação é realizada através de uma prova prática (P), com a duração de 120 minutos.
7. Os alunos dos planos de estudo referidos no número 4 que não aprovarem nos anos lectivos subsequentes a 2007/2008 podem, por um período de transição definido até ao ano lectivo de 2009/2010, optar por:
a) integrar-se no novo plano de estudos, nos termos da presente portaria;
b) concluir o seu percurso escolar no plano de estudo iniciado.
8. Os alunos referidos na alínea b) do número anterior podem:
a) realizar as disciplinas em falta comuns aos planos de estudo reajustados por frequência juntamente com os alunos destes últimos e ainda por exame nacional ou prova de equivalência à frequência, conforme os casos;
b) realizar as disciplinas em falta, que não integram os planos de estudo reajustados, por exame nacional ou prova de equivalência à frequência, conforme os casos.
46
ANEXO I
PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA: TIPOS DE PROVAS A REALIZAR EM CADA DISCIPLINA E ÁREA NÃO DISCIPLINAR E RESPECTIVA DURAÇÃO
DISCIPLINA/
ÁREA CURRICULAR
CURSO/ANO
Nº DE ANOS
PROVAS
DURAÇÃO
(em minutos)
Antropologia
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Aplicações Informáticas B
Científico-Humanísticos/12º
1
P
90
Área de Projecto
Científico-Humanísticos/12º
1
Pr
45
Biologia*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Ciência Política
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Clássicos da Literatura
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Direito
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Economia C
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Educação Física
Científico-Humanísticos/12º
3
EP
90+90
Filosofia A
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Filosofia
Científico-Humanísticos/11º
2
E
90
Física*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Geografia C
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Geologia*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Grego
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Latim B
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
1
E
90
Língua Estrangeira I, II ou III (formação geral)
Científico-Humanísticos/11º
2
EO
90+25
Língua Estrangeira I , II ou III (formação específica - 12º ano)
Científico-Humanísticos/12º
1
EO
90+25
Literaturas de Língua Portuguesa
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
1
E
90
Materiais e Tecnologias
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
1
E
120
Oficina de Artes
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
1
P
120
Oficina de Multimédia B
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
1
P
120
Psicologia B
Científico-Humanísticos/12º
1
E
90
Química*
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
1
EP
90+90
Sociologia
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
* A componente prática das provas escritas com componente prática tem uma tolerância de 30 minutos.
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/12º
1
E
90
47
ANEXO II
EXAMES FINAIS NACIONAIS: TIPO DE PROVA A REALIZAR EM CADA DISCIPLINA E RESPECTIVA DURAÇÃO
DISCIPLINA
CURSO/ANO
PROVA
Nº DE ANOS
DURAÇÃO
(em minutos)
Biologia e Geologia
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/11º
E
2
120
Desenho A
Científico-Humanístico de Artes Visuais/12º
P
3
150
Economia A
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/11º
E
2
120
Física e Química A
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/11º
E
2
120
Geografia A
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/11º
E
2
120
Geometria Descritiva A
Científico-Humanístico de Artes Visuais/11º
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/ 11º
P
2
150
História A
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/12º
E
3
120
História B
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/11º
E
2
120
História da Cultura e das Artes
Científico-Humanístico de Artes Visuais/11º
E
2
120
Latim A
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
120
Língua Estrangeira I, II ou III
(formação específica)
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
120
Literatura Portuguesa
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
120
Matemática A
Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias/12º
Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas/12º
E
3
150
Matemática Aplicada às Ciências Sociais
Científico-Humanístico de Línguas e Humanidades/11º
E
2
150
Matemática B
Científico-Humanístico de Artes Visuais/11º
E
2
150
Português
Científico-Humanísticos/12º
E
3
120
48
ANEXO III
PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS A OBSERVAR NO DESENVOLVIMENTO DA PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO (PEA)
1. Cabe aos departamentos curriculares, de acordo com as orientações do conselho pedagógico da escola, estabelecer a modalidade que a prova extraordinária de avaliação (PEA) deve assumir, tendo em conta a natureza e especificidade de cada disciplina.
2. Compete ainda aos departamentos curriculares propor ao conselho pedagógico a matriz da prova, da qual constem os objectivos e os conteúdos, a estrutura e respectivas cotações e os critérios de classificação.
3. Para a elaboração da PEA é constituída uma equipa de dois professores, em que pelo menos um deles tenha leccionado a disciplina nesse ano lectivo. Para o desempenho desta função não está prevista qualquer dispensa de serviço docente.
4. A duração da PEA é de noventa a cento e oitenta minutos, a determinar pelo conselho pedagógico da escola, sob proposta do departamento curricular, consoante a natureza e especificidade da disciplina.
5. Compete ao órgão de gestão do estabelecimento de ensino fixar a data de realização da PEA no período compreendido entre o final das actividades lectivas e 31 de Julho.
6. Toda a informação relativa à realização da PEA deve ser afixada pelas escolas até ao dia 15 de Maio.
7. Caso o aluno não compareça à prestação da prova extraordinária de avaliação, não lhe poderá ser atribuída qualquer classificação, pelo que se considera que o aluno não obteve aproveitamento na disciplina.
8. Após a realização da PEA, é necessário proceder-se a uma reunião extraordinária do conselho de turma para ratificação das classificações do aluno.
49
ANEXO IV
DISCIPLINAS ANUAIS DE 12.º ANO
TABELA DE PRECEDÊNCIAS
DISCIPLINAS PRECEDENTES
DISCIPLINAS DE 12º ANO
Biologia e Geologia
Biologia
Biologia e Geologia
Geologia
Física e Química A ou B
Física
Física e Química A ou B
Química
Filosofia
Filosofia A
Literatura Portuguesa
Literaturas de Língua Portuguesa
Latim A
Latim B
Língua Estrangeira II ou III (nível de iniciação)
Língua Estrangeira II ou III (nível de iniciação)
Língua Estrangeira I ou II (nível de continuação)
Língua Estrangeira I ou II (nível de continuação)

(Ainda não foram publicadas notícias)